(31) 3555-1188 ver.tarcisiocaixeta@cmbh.mg.gov.br

Vereador Tarcísio Caixeta apresenta Projeto de aplicativo de monitoramento de atendimento médico de urgência e emergência

O Vereador Tarcísio Caixeta apresentou Projeto de Lei na Câmara Municipal de Belo Horizonte que propõe a implantação de um aplicativo, para celulares, que sirva para monitoramento de atendimento médico de urgência e emergência na capital. O PL 1960/2016 estabelece a criação e desenvolvimento do programa, disponível para os sistemas operacionais Android e iOs, permitindo inserção de informações tanto pelos usuários quanto pelos estabelecimentos médicos. Sendo assim, o cidadão saberá para qual unidade de saúde se dirigir e o tempo que precisará aguardar o atendimento, dados primordiais para a rapidez do serviço.

Caixeta assinalou alguns aspectos constitucionais essenciais em nossa democracia que podem ser respeitados de forma correta e serão atendidos pelo novo Projeto de Lei. “Partimos do princípio de que o cidadão tem, acima de tudo, direito a informação. Com as várias unidades de saúde com atendimento de urgência e emergência existentes, é essencial, para um atendimento mais rápido e eficiente, que o paciente saiba para onde se dirigir e o tempo que precisará aguardar. Somente através deste conhecimento é possível, ao cidadão, aferir a qualidade dos serviços públicos prestados”, comentou.

Foto: Rodney Costa

Foto: Rodney Costa

Além de reafirmar seu compromisso com a saúde da população, Caixeta mostra-se atento em utilizar as novas tecnologias, em constante desenvolvimento, para servir bem a todos os belo-horizontinos. Segundo o parlamentar, “as pessoas se utilizam da internet e das redes sociais de diversas formas e para objetivos variados, atualmente. É crescente o surgimento de aplicativos para gerenciamento de diversas situações cotidianas e coletivas, e toda iniciativa que vem para facilitar a vida da população de BH deve ser incentivada”, disse o vereador.

Tarcísio Caixeta ressaltou que a proposta não é de difícil implantação, pois o serviço não constitui uma novidade em Belo Horizonte. “A proposta não traz novidade nessa seara, considerando que já existe aplicativo dessa natureza em uso pela Prefeitura para monitoramento do serviço de transporte público. Então o que buscamos é adaptar o serviço, para ser utilizado de forma colaborativa e que consiga reduzir filas, agilizar o atendimento e representar melhoria na qualidade”, arrematou.

A proposta de lei que busca o uso da tecnologia como aliada dos serviços públicos de saúde em Belo Horizonte foi apresentada no dia 17 de junho e encaminhada para a Comissão de Legislação e Justiça. Caso não existam diligências, passará ainda pelas Comissões de Saúde e Saneamento, Administração Publica e Orçamento, antes de ser votada em Plenário.